RenovaDF tem a maior participação de alunos da população em situação de rua

RenovaDF tem a maior participação de alunos da população em situação de rua

O grupo está na fase final de treinamento para iniciar trabalho nas ruas do Plano Piloto; medida faz parte do plano de ações de acolhimento para este público

Por Ian Ferraz e Victor Fuzeira, da Agência Brasília | Edição: Vinicius Nader

Maior programa de capacitação profissional do país, o RenovaDF atingiu a sua maior participação de pessoas em situação de rua. Dos 1.500 alunos do atual ciclo, 304 estão nessa condição. A iniciativa está alinhada com as ações do Governo do Distrito Federal (GDF) de acolhimento a esse público vulnerável que têm sido reforçadas com a assinatura do Plano de Ação para a Efetivação da Política Distrital para a População em Situação de Rua.

O plano envolveu, além do GDF, o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDF) e o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP).

Para o jardineiro Édson Júnior, a participação no RenovaDF é um “recomeço”
Para o jardineiro Édson Júnior, a participação no RenovaDF é um “recomeço”

Em situação de rua há alguns anos, Édson Rodrigues de Araújo Júnior, 47 anos, fez de Brasília o seu refúgio. Ele enxergou na capital a oportunidade de mudar de vida e soube do programa pelo Centro Pop do Plano Piloto. “Conheci esse programa e achei interessante. Resolvi entrar para dar uma possibilidade melhor à minha vida e para que as coisas tenham mais êxito”, explica.

Fã de jardinagem, Édson Júnior está animado com a possibilidade de aprender outras áreas durante o curso. “Para mim é um recomeço, porque na realidade eu nunca havia entrado em outro curso antes para dar um avanço a mais em outras coisas e ideias. Essa vai ser uma boa oportunidade para minha vida”, defende.

Moradora de rua há mais de quatro décadas, Benedita Silva Donato, 51, enxerga no RenovaDF uma forma de transformar a vida. “Para mim, que resolvi fazer o Enem e estudar, vai ser ótimo. É difícil você ter um prato de comida garantido e ter que estudar, né? Quando a gente é jovem, os pais nos mandam estudar, não damos importância, mas aí quando chega na idade que eu estou hoje, sem uma faculdade, sem instrução, fica difícil. E aqui eu tive a oportunidade de estudar, buscar o que eu quero para minha velhice e fazer esse curso, que está ótimo”, garante.

Ela, que sonha estudar antropologia na Universidade de Brasília (UnB), espera se manter aquecida ao longo do ano, alimentada e concentrada para os estudos. “Nunca é tarde para você aprender alguma coisa. Por mais que você ache que sabe tudo, você não sabe nada. Estou aberta ao conhecimento”, conclui.

Benedita Silva Donato: “Aqui eu tive a oportunidade de estudar, buscar o que eu quero para minha velhice e fazer esse curso”
Benedita Silva Donato: “Aqui eu tive a oportunidade de estudar, buscar o que eu quero para minha velhice e fazer esse curso”

As histórias de Édson Júnior e Benedita vão se somar a outras semelhantes no programa. Desde o lançamento, em 2021, mais de 20,6 mil profissionais foram capacitados. Pessoas que receberam uma oportunidade e foram responsáveis por recuperar 2,3 mil equipamentos públicos em todo o DF.

Até 2020, o DF contava com quase 3 mil pessoas em situação de rua, segundo o levantamento do Instituto de Pesquisa e Estatística do Distrito Federal (IPEDF). É para essas pessoas que o governo tem pensado em políticas públicas e em formas de tirá-las das ruas.

“O governador Ibaneis Rocha editou um decreto regulamentando uma lei de 2018, que separa 2% das contratações de pessoal de empresas contratadas pelo poder público no DF para pessoas em situação de rua. Mas, muitas vezes, essas pessoas não têm a qualificação necessária para a prestação desse serviço. Aí entra o programa do RenovaDF, da Sedet [Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Renda], que profissionaliza essas pessoas. Elas vão receber o treinamento, vão se profissionalizar e durante esse período vão receber uma bolsa de um salário mínimo e, por isso, vão estar aptas a assumir essas funções do decreto. A ideia é qualificar essas pessoas e, após a qualificação, dar um local em que elas possam trabalhar. Por isso o ciclo específico para eles, para que se dê ênfase a essa questão”, argumenta o secretário-chefe da Casa Civil, Gustavo Rocha.

Sobre o RenovaDF

O programa é realizado pela Sedet em parceria com as administrações regionais e oferece cursos de iniciação profissional aplicados pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial do Distrito Federal (Senai-DF), com duração de 240 horas em três meses, com quatro horas diárias de aulas.

Os alunos recebem capacitação profissional, com noção básica na área de construção civil, aulas presenciais e práticas. Enquanto se qualificam, recuperam os espaços públicos de nossa cidade, como praças, parquinhos, quadras poliesportivas, campos sintéticos de futebol e vilas olímpicas.

Eles também recebem kit uniforme, com camiseta, bota, capa de chuva, garrafa d’água, boné, equipamento de proteção individual, lanche e uma bolsa-benefício no valor de um salário mínimo, além de auxílio-transporte e seguro contra acidentes pessoais.

“O RenovaDF não olha para a cara da pessoa ou para a situação. Olhamos para aquelas que querem aprender uma nova profissão, que queiram ter uma oportunidade. Nosso objetivo é dar emprego para todos”, observa o secretário de Desenvolvimento Econômico Trabalho e Renda, Thales Mendes.

Compartilhe:

Alvaro Maciel

Deixe um comentário

Pular para o conteúdo