Passagens subterrâneas da Asa Sul sofrem com vandalismo

Passagens subterrâneas da Asa Sul sofrem com vandalismo

Após investimentos significativos em manutenção, GDF conta com conscientização da população para que estruturas sejam preservadas

Por Agência Brasília* | Edição: Vinicius Nader

As passagens subterrâneas da Asa Sul sofrem com o vandalismo. As estruturas foram revitalizadas recentemente em um esforço do Governo do Distrito Federal (GDF), por meio da Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap), com o objetivo de melhorar o aspecto e colaborar para a segurança do cidadão que frequenta a região.

Entre janeiro de 2022 e setembro de 2023, a Novacap fez a limpeza dos revestimentos, a substituição de grelhas de água pluvial danificadas e a pintura de tetos, paredes e pisos. O custo dessas manutenções ultrapassou R$ 800 mil.

Apesar dos consideráveis investimentos financeiros e dos esforços contínuos, esses espaços públicos têm sido alvos frequentes de degradação, levantando questões sobre a responsabilidade e o papel da comunidade na preservação do patrimônio coletivo.

“Em alguns casos, finalizávamos um serviço durante a tarde com uma passagem totalmente renovada e, já na manhã seguinte, encontrávamos pichações”, relata Daiane de Andrade, engenheira da Novacap e uma das responsáveis pelo projeto. Esse ciclo de revitalização seguido de vandalismo não apenas aumenta os custos de manutenção, como também menospreza os esforços para melhorar a qualidade de vida urbana.

A passagem subterrânea da quadra 101 Sul, por exemplo, foi objeto de uma intervenção entre setembro e novembro de 2022, com um custo de aproximadamente R$ 158 mil. O local sofreu com vandalismo intensivo poucos dias após a conclusão dos trabalhos. Situações similares ocorreram nas passagens das quadras 103, 105 e 107 Sul.

“É fundamental que todos os cidadãos compreendam que esses espaços são de uso comum e devem ser cuidados e preservados por todos” Carlos Alberto Spies, diretor de Edificações

Diante deste cenário, surge um questionamento: como a comunidade pode contribuir para a preservação desses espaços? A resposta passa por uma combinação de vigilância, educação e engajamento cívico. “É fundamental que todos os cidadãos compreendam que esses espaços são de uso comum e devem ser cuidados e preservados por todos”, afirma o diretor de Edificações da Novacap, Carlos Alberto Spies.

A Novacap prepara a realização de um novo procedimento licitatório para os próximos meses, com o intuito de fazer uma nova manutenção dessas áreas, mas ressalta que sem a colaboração efetiva da população, os desafios persistirão.

Obras

Entre 2022 e 2023 foram reformadas 12 passagens subterrâneas no Plano Piloto (Asa Sul e Asa Norte). O investimento passa dos R$ 2,5 milhões, e incluiu obras da rede de drenagem e do piso e a substituição das lajotas danificadas, de corrimões e da iluminação convencional por lâmpadas de LED. Passaram pela reforma os túneis da 102, 103,105,107,109,111,113 e 115 Norte, e das quadras 101, 103, 105 e 107 Sul.

Arte urbana

Quando é necessário, a Novacap avalia a situação e define a melhor metodologia para manter as passagens seguras e confortáveis
Quando é necessário, a Novacap avalia a situação e define a melhor metodologia para manter as passagens seguras e confortáveis

A Novacap apoia o grafite, uma forma de expressão artística de suma importância. Mais que isso, tem entre seus parceiros o artista Elon, de Ceilândia, que estampa grafites nas paredes da sede da companhia e no Viveiro I, entre outros órgãos públicos.

No entanto, quando se trata de degradação ou depredação do patrimônio, a empresa atua sob demanda das administrações regionais sempre que há a necessidade de alguma ação de urbanização ou de zeladoria.

Assim que é acionada, a companhia encaminha uma equipe técnica ao local para avaliar a situação, definir a melhor metodologia e colocar o serviço no cronograma de atendimentos.

*Com informações da Novacap

Compartilhe:

Alvaro Maciel

Deixe um comentário

Pular para o conteúdo