Jovem Candango transforma vidas de adolescentes com vagas de trabalho

Jovem Candango transforma vidas de adolescentes com vagas de trabalho

Em sua segunda edição, projeto passou a garantir oportunidades para órfãos do feminicídio e adolescentes em situação de vulnerabilidade social

Jak Spies, da Agência Brasília | Edição: Chico Neto

programa Jovem Candango é a principal ponte entre jovens do Distrito Federal e o mercado de trabalho. Na segunda edição de 2023, 431 adolescentes com idades entre 14 e 18 anos já foram contratados, de um total de 1,8 mil selecionados.

O projeto do GDF é fruto de uma colaboração entre as secretarias de Educação (SEE), de Governo (Segov) e da Família e Juventude (SFJ) com a Rede Nacional de Aprendizagem, Promoção Social e Integração (Renapsi) e a Organização Jerônimo Candinho. Além de garantir uma vaga como jovem aprendiz, a pessoa inscrita participa de um curso teórico um dia por semana, com temas referentes ao mercado de trabalho.

“O programa Jovem Candango possibilita ampliar as oportunidades aos nossos jovens, tirando-os da ociosidade e capacitando-os”Rodrigo Delmasso, secretário da Família e Juventude

O programa é dividido de acordo com a região do DF em que o jovem contratado mora. A Renapsi atende a Ala Sul, que abrange o Plano Piloto, Sobradinho, Sobradinho II, Planaltina, Paranoá, Lago Norte, Varjão, Itapoã, Fercal e Arapoanga.

Já a Jerônimo Candinho abrange a Ala Norte, nas regiões do Gama, Taguatinga, Brazlândia, Ceilândia, Núcleo Bandeirante, Guará, Cruzeiro, Samambaia, Santa Maria, São Sebastião, Candangolândia, Recanto das Emas, Lago Sul, Riacho Fundo, Riacho Fundo II, Águas Claras, Sudoeste/Octogonal, Park Way, SIA, Scia/Estrutural, Jardim Botânico, Vicente Pires, Sol Nascente/Pôr do Sol, Arniqueira e Água Quente.

As atividades começam na primeira quinzena deste mês. “O programa Jovem Candango possibilita ampliar as oportunidades aos nossos jovens, tirando-os da ociosidade e capacitando-os, qualificando e remunerando por isso, o que impacta diretamente a família”, reforça o secretário da Família e Juventude, Rodrigo Delmasso. “Ao sair de uma experiência como essa, teremos jovens mais preparados para o mercado de trabalho e para a realização dos seus sonhos”.

“Nós que somos servidores procuramos dar o máximo para eles, para quando saírem daqui eles estarem preparados para o mercado de trabalho”Elanne Bastos, chefe de protocolo e arquivo na Administração Regional do Guará

Além de empregar adolescentes como jovens aprendizes, o programa Jovem Candango também oferece um curso teórico que aborda a preparação para o mercado de trabalho, feito uma vez por semana. É um ciclo de dois anos onde eles são direcionados para diversas áreas do DF.

“Nós que somos servidores procuramos dar o máximo para eles, para quando saírem daqui eles estarem preparados para o mercado de trabalho”, afirma Elanne Bastos, chefe de protocolo e arquivo na Administração Regional do Guará. “Os jovens têm facilidade com a tecnologia. Eles sabem de coisas que as vezes a gente não sabe. Então eles aprendem conosco e nós também aprendemos com eles”, acrescenta.

Elanne é supervisora de Camilly Victoria Maciel Alves, de 18 anos. Moradora de Ceilândia, a jovem aprende o serviço dentro do protocolo: arquivar, mexer nos sistemas do governo, entre outras atividades. A jovem aprendiz participa do programa desde agosto de 2021.

“Eu me sinto muito bem trabalhando aqui. A minha chefe é bem flexível e compreensiva com a gente. Tem sido muito bom, é um ambiente de trabalho tranquilo e tem uma importância muito grande pra mim porque aqui a gente pode desenvolver autonomia”, conta a jovem.

Camilly diz se sentir mais preparada para o mercado de trabalho após ingressar no programa. Ela empreende uma loja virtual de brigadeiros gourmet e fala da ajuda que ela tem no curso. “Eles têm essa preparação de falar como a gente deve se portar, como deve ser nossa postura profissional. Então chegando aqui a gente já tem um norte, a gente não fica perdido”, destaca.

Trabalhando com cultura

Alinne Alves de Lima, que supervisiona o trabalho dos jovens na Biblioteca Nacional de Brasília: “Nós, como poder público, temos a obrigação de olhar por quem está mais vulnerável na nossa sociedade”

Quatro jovens contemplados pelo programa trabalham na Biblioteca Nacional de Brasília. Entre eles, M.D.S, que tem 16 anos, mora na região do Itapoã e cumpre medidas socioeducativas.

“Minha expectativa é, quando acabar o contrato, ter outra oportunidade para continuar uma função nessa área”M.D.S, estagiário do Jovem Candango

O jovem entrou em outubro de 2022 e atua como estagiário no Jovem Candango, cuidando dos empréstimos de livros na biblioteca e da reserva das salas de estudo. Para ele, o programa é uma ótima oportunidade, além de ser uma possibilidade melhor do que estar nas ruas.

“Minha mente está mais ocupada”, conta. “Estou gostando demais, pegando experiência, conhecendo coisas novas, pessoas novas. Minha expectativa é, quando acabar o contrato, ter outra oportunidade para continuar uma função nessa área.”

Extensão familiar

Responsável por supervisionar o trabalho dos jovens na Biblioteca Nacional de Brasília, a gerente de atendimento Alinne Alves de Lima afirma que a biblioteca pode proporcionar aos jovens um contato que talvez eles não tenham em casa.

“O programa traz esses jovens para aprender a trabalhar, ter um pouco de responsabilidade e novos conhecimentos”, afirma. “Alguns deles vêm de um lar desfeito, com problemas de violência, ou às vezes eles mesmos estão envolvidos com problemas de violência. Aqui entra essa parte da ressocialização, de conhecer outra realidade, outro caminho, enxergar um ponto de saída.”

Entre os benefícios para os participantes do programa, há o vale-transporte, vale-alimentação e uma ajuda de custo. “Lógico que existem os benefícios financeiros, mas eu acho que o maior benefício para eles é ter o contato com a realidade de adultos”, raciocina a gestora.

A iniciativa visa à formação técnico-profissional, dentro dos órgãos do governo, de adolescentes que estejam cursando o ensino fundamental ou médio, pertençam a famílias de baixa renda, sejam originários de programas governamentais ou se encontrem em situações de vulnerabilidade.

Órfãos do feminicídio

Em sua segunda edição neste ano, o programa passou a garantir percentuais de vagas para órfãos do feminicídio, filhos e filhas de catadores de recicláveis e adolescentes em situação de rua. Cada uma das faixas contou com 10% das vagas, somando, no total, 180 postos.

Dados publicados no Anuário Brasileiro de Segurança Pública apontam que cerca de 80% das vítimas de feminicídio eram mães. A estatística, que se refere ao ano de 2020, foi apresentada pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP).

“A gente tem que pensar que vai existir uma quantidade imensa de crianças órfãs ou afetadas psicologicamente, emocionalmente e financeiramente”, analisa Alinne Alves de Lima. “Nosso objetivo é dar o acesso aos direitos que estão na nossa Constituição. Nós, como poder público, temos a obrigação de olhar por quem está mais vulnerável na nossa sociedade.”

Compartilhe:

Alvaro Maciel

Deixe um comentário

Pular para o conteúdo