Desvios no viaduto do Jardim Botânico marcam nova etapa da obra

Desvios no viaduto do Jardim Botânico marcam nova etapa da obra

Com investimento de mais de R$ 33 milhões, a estrutura, na altura do balão da Esaf, beneficiará moradores de diversas regiões administrativas

Josiane Borges, da Agência Brasília I Edição: Saulo Moreno

As obras do Viaduto do Jardim Botânico estão em ritmo acelerado e, quando entregue, a estrutura irá beneficiar cerca de 50 mil motoristas diariamente. Atualmente, cinco desvios estão em construção. Serão aproximadamente 1.200 metros de novas pistas ao longo do trecho, o que possibilitará o início de uma nova etapa da construção.

“Assim que os desvios estiverem em funcionamento, vamos iniciar o estaqueamento. Faremos grandes estacas de concreto armado, uma colada à outra, com a ajuda de uma perfuratriz. Essas estruturas serão responsáveis pela contenção da terra nas laterais da escavação”Paulo Robert Santos, engenheiro do DER-DF

“Já fizemos toda a parte de terraplanagem e estamos finalizando os desvios nesta semana, etapa fundamental para que a escavação das trincheiras do viaduto possa ser iniciada. Assim como a parte de drenagem e as adaptações nas redes de energia e esgoto”, afirma o engenheiro do Departamento de Estradas de Rodagem do DF (DER-DF), Paulo Robert Santos.

De acordo com o engenheiro, os desvios são necessários para isolar a parte central da rotatória e iniciar a próxima etapa. O viaduto será subterrâneo, construído a aproximadamente cinco metros da superfície. “Assim que os desvios estiverem em funcionamento, vamos iniciar o estaqueamento. Faremos grandes estacas de concreto armado, uma colada à outra, com a ajuda de uma perfuratriz. Essas estruturas serão responsáveis pela contenção da terra nas laterais da escavação”, explica Paulo.

Atualmente, cinco desvios estão em construção que, somados, serão aproximadamente 1.200 metros de novas pistas ao longo do trecho | Fotos: Geovana Albuquerque/Agência Brasília

Sob responsabilidade do DER-DF, o viaduto na altura do balão da antiga Esaf, no km 27,2 da Rodovia DF-001, tem um investimento total de R$ 33,5 milhões, com geração de 400 empregos diretos e indiretos. Serão beneficiados com a estrutura os moradores da região e de localidades como São Sebastião, Tororó, Paranoá, Jardins Mangueiral e Jardim ABC.

Morador há mais de 30 anos do Jardim Botânico, Rafael Machado, 66 anos, destaca que a região cresceu muito nos últimos anos, o que impactou diretamente o trânsito nas redondezas e acredita que, quando finalizada, a obra vai melhorar a vida da comunidade. “Tivemos uma afluência muito grande nessa região, com a abertura de novos condomínios e lojas comerciais, e isso feriu a nossa mobilidade. A expectativa é positiva, que se resolva de maneira rápida para usufruirmos dela [a obra] o quanto antes.”

Arte: Agência Brasília

Como funcionarão os desvios

Segundo o DER-DF, na prática, os desvios vão funcionar da seguinte forma: “quem vem de São Sebastião em direção à Ponte JK não vai mais passar pela rotatória. Por conta das escavações, o motorista irá usar uma alça construída à direita da pista. Quem quer acessar o Lago Sul vai usar o mesmo desvio, mas deverá fazer o retorno à esquerda, mais adiante. Do outro lado da via, fizemos um alargamento na pista [sentido Jardim Botânico], já que uma das faixas de rolamento ficará comprometida pelas escavações”, detalha o engenheiro.

Para os condutores que saem do Lago Sul, sentidos Solar de Brasília I e Altiplano Leste, o balão estará bloqueado e o motorista deverá subir a via no sentido São Sebastião, acessar o retorno localizado a cerca de 500 metros, para, então, seguir o seu destino.

Os motoristas que saem do Solar de Brasília I com destino ao Altiplano Leste e Ponte JK seguirão normalmente, sem alterações.

A funcionária pública e também moradora do Jardim Botânico Maria Vitória Paiva, 63, acredita que, apesar dos impactos momentâneos, o complexo viário será benéfico. “É perfeita a construção de um viaduto neste momento. O Jardim Botânico tem crescido muito, é preciso viabilizar o trânsito dos novos moradores na região. Qualquer lugar do mundo hoje sofre com trânsito, em especial nos horários de pico. Aqui não é diferente. As pessoas têm a mania de só reclamar. Mas esquecem que a obra está sendo feita. É preciso ter um pouco mais de paciência, porque a melhoria vai chegar.”

Atualmente, o departamento realiza o monitoramento do trânsito na região nos horários de pico e poderão ocorrer alterações de acordo com a dinâmica da obra. “Acredito que, na próxima semana, as pessoas já comecem a acessar os novos desvios. Aqui é uma região já acompanhada pelo DER-DF, em especial nos horários de pico e, se necessário, adaptações serão feitas para dar mais fluidez ao trânsito”, ressalta o engenheiro Paulo Robert Santos.

A construção passará também pelas seguintes etapas: pavimentação, sinalização horizontal e vertical, ciclovia, passarela, muro de “terra armada”, viaduto, obras complementares, urbanização e paisagismo.

Compartilhe:

Alvaro Maciel

Deixe um comentário

Abrir o Chat
1
💬 Precisa de ajuda?
Olá!
Podemos te ajudar?
Pular para o conteúdo