Governo aprova dois parcelamentos no Tororó para mais de 1,7 mil pessoas

Governo aprova dois parcelamentos no Tororó para mais de 1,7 mil pessoas

No total, são previstas 523 casas distribuídas por mais de 58 hectares

Agência Brasília* | Edição: Carolina Lobo

O Governo do Distrito Federal (GDF) aprovou dois projetos urbanísticos de parcelamento do solo localizados no Setor Habitacional Tororó (SHTo), no Jardim Botânico. Juntos, eles possuem 58,94 hectares, o equivalente a mais de 58 campos de futebol, onde é prevista a construção de 523 casas para 1.726 pessoas. Os decretos n° 44.804 e n° 44.805 foram assinados pelo governador Ibaneis Rocha e publicados no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) da última sexta-feira (4).

O maior deles se chama Tororó Ecoville Residence, com 56,38 hectares de terreno. A área terá capacidade para 490 casas e possibilidade de beneficiar até 1.617 pessoas, além de ter lotes comerciais, institucionais e para prestação de serviços.

O outro parcelamento se chama Residencial Milênio, onde serão criados lotes em 2,56 hectares. Neles é prevista a construção de 33 casas, que poderão beneficiar 109 pessoas, e também Espaços Livres de Uso Público (ELUPs) e equipamentos públicos.

“Essas aprovações demonstram, mais uma vez, que a regra é o parcelamento do solo, com ocupação regular e também empreendimentos que já nascem com toda a sua infraestrutura instalada”Marcelo Vaz, secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação

O parcelamento do solo urbano é a divisão da gleba em lotes, destinados à edificação, na forma de loteamento, mediante aprovação da Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação do Distrito Federal (Seduh-DF) e do Conselho de Planejamento Territorial e Urbano do Distrito Federal (Conplan).

Para as áreas em questão, foram realizados todos os estudos urbanísticos, de meio ambiente, de trânsito e consultas às concessionárias de serviços públicos. Além disso, ambos estão previstos no Plano Diretor de Ordenamento Territorial (Pdot) de 2009.

“Essas aprovações demonstram, mais uma vez, que a regra é o parcelamento do solo, com ocupação regular e também empreendimentos que já nascem com toda a sua infraestrutura instalada”, afirma o secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação, Marcelo Vaz.

O papel do GDF se encerra com a publicação dos decretos no DODF e o acompanhamento das implantações da infraestrutura nos locais, como rede elétrica e saneamento básico. A partir das publicações no Diário Oficial, os empreendedores responsáveis têm o prazo de 180 dias para darem entrada com o pedido de registro dos imóveis em cartório.

*Com informações da Seduh-DF

Compartilhe:

Alvaro Maciel

Deixe um comentário

Pular para o conteúdo