Alimentação rica em resveratrol e atividade física regular podem ser uma boa duplinha

Alimentação rica em resveratrol e atividade física regular podem ser uma boa duplinha

Um estudo feito pela Washington State University, em julho de 2015, revelou que beber vinho antes de dormir pode ser um bom auxílio na perda de peso. O estudo diz que ambos caminham juntos por conta de uma substância presente na bebida, chamada de resveratrol, que transforma as gorduras brancas em gorduras beges, e que essas seriam mais fáceis de serem oxidadas.

O resveratrol é um polifenol (compostos orgânicos com função antioxidante e anti-inflamatória) que pode ser encontrado na maioria das frutas, principalmente nas escuras ou de cascas escuras, como uva, amora, morango, e também no vinho. Nessa pesquisa, os ratos fizeram uma dieta altamente gordurosa, só que uma parte deles recebeu doses diárias e concentradas de resveratrol. No final, os que receberam o resveratrol engordaram 40% menos que os outros.

E o que são essas cores nas gorduras? Quais suas diferenças? Já há muitos anos que se conhece as gorduras brancas e marrons como sendo os dois tipos diferentes que temos em nosso corpo. A branca, que é a gordura do estoque de energia, ou seja, transforma calorias em células adiposas, é a que temos em maior quantidade em nosso corpo, cerca de 95%. Já a marrom, trabalha na queima de calorias a fim de promover aquecimento do corpo e manter nossa temperatura corporal na casa dos 36 graus, fazendo frio ou calor. São mais abundantes em recém-nascidos e em bebês; nos adultos, ela cai para 5% da nossa gordura corporal. É um tecido que tem alta capacidade oxidativa e que pode influenciar no aumento da taxa metabólica corporal, reduzindo o sobrepeso. Na verdade, sempre se pensou que essa gordura só existisse em bebês, com a função de mantê-los aquecidos, mas cientistas da Harvard Medical School concluíram que adultos também mantêm um pouco (infelizmente apenas um pouco) dessa gordura saudável. Também foi descoberta a existência de um novo tipo de gordura, a gordura bege, que seria uma gordura eficiente em queimar calorias em excesso.

Por outro lado, notou-se que a gordura marrom dos bebês vem dos músculos, enquanto nos adultos essa gordura é consequência de um “escurecimento” da gordura branca. A boa notícia vem agora! O escurecimento dessas células e, por consequência, sua ótima capacidade de oxidar gordura depende da presença de um hormônio chamado de irisina, e sua liberação acontece através dos músculos durante a atividade física. Talvez esteja aí a grande solução para o problema de sobrepeso. Aumentarmos os níveis de irisina através dela, sempre ela, a atividade física regular.

Meu leitor deve estar pensando agora: preciso consumir frutas vermelhas, beber suco de uva, ok… Uma tacinha de vinho tinto de vez em quando e fazer exercício físico. Mas qual seria o melhor tipo de exercício? Alguns estudos comparam as atividades de endurance (aquelas longas e de intensidade moderada) com atividades resistidas (exercícios como a musculação, por exemplo, em que há uma força a ser vencida). Algumas pesquisas concluíram que o exercício resistido tem uma vantagem significativa na resposta da irisina. Também ficou comprovado que com apenas uma única sessão de exercício já há aumento da produção de irisina, mas é muito importante saber que esse aumento é transitório e que se não houver regularidade na atividade física, essa produção cai.

Para você que leu essa matéria, mas só conseguiu memorizar que uma taça de vinho pode ajudar a emagrecer (risos), calma lá! Beber uma garrafa de vinho e depois dormir não vai fazer você acordar fininho. Fora que o vinho tem resveratrol, mas tem calorias também, e o excesso de calorias continua sendo armazenado por 95% das nossas células adiposas, as brancas, lembra? Além disso, beber vinho como indutor de sono não é uma recomendação que eu faço. Basta um erro na quantidade para o efeito do álcool no sono ser exatamente o inverso.

Por Marcio Atalla para o Globo

 

Compartilhe:

Alvaro Maciel

Deixe um comentário

Pular para o conteúdo