Cancelado no LinkedIn, empreendedor faliu e teve prejuízo de R$ 300 mil

Cancelado no LinkedIn, empreendedor faliu e teve prejuízo de R$ 300 mil

O empreendedor Rodrigo Garçone vivenciou como poucos a experiência de cancelamento nas redes sociais. Com postagens consideradas polêmicas, ele gerou muito engajamento no LinkedIn, o que lhe rendeu diversas oportunidades de negócios, mas também lhe custou a falência de sua empresa.

“Comecei a usar o LinkedIn para compartilhar minha visão sobre ambiente profissional e questões pessoais. Rapidamente ganhei muita audiência porque fugia do padrão da rede: todos querem contar história positiva, exagerar no lado bom e eu decidi ser a primeira pessoa a compartilhar o que todo mundo tem vergonha: os fracassos. Assim, comecei a atrair grande quantidade de haters. Sou empreendedor que gosta de tema polêmico e não se preocupa com crítica”, disse Garçone.

Em 2018, Garçone criou uma empresa que ajudava as pessoas a se reposicionarem no mercado de trabalho, ideia que teve a partir da experiência com usuários da rede social. A empresa deslanchou e conseguiu contratos com grandes empresas, o que alavancou a carreira do empresário.

Em 2019, Rodrigo foi eleito um dos 50 profissionais de Recursos Humanos (RH) mais relevantes da América Latina, muito por conta de sua atividade no LinkedIn. Tornou-se diretor de uma associação de RH. Foi quando sofreu seu primeiro cancelamento, com denúncias em massa que o tiraram temporariamente da rede.

No entanto, o maior golpe aconteceu em 2020. Garçone publicou um post (veja abaixo) que afirma ser “sarcástico”: anunciava uma vaga sem horário definido de trabalho, sem salário, sem benefícios. Tratava-se da busca por um sócio da empresa que crescia, mas não foi como outros usuários interpretaram.

“Foi um post sarcástico, do qual nunca me arrependi de ter escrito. Alguém pegou (a postagem) e fez uma denúncia no Ministério Público do Trabalho (MPT). O promotor acolheu a denúncia de trabalho análogo à escravidão”, conta Rodrigo.

Com as investigações em andamento, o MPT solicitou aos clientes da empresa de Rodrigo informações sobre os serviços prestados e documentações como as Notas Fiscais emitidas. O contato do MPT acendeu sinal de alerta no compliance e no jurídicos das empresas clientes, que decidiram romper todos os contratos com a empresa de Rodrigo, o que lhe levou à falência e a um prejuízo de R$ 300 mil.

“Pessoas insatisfeitas com suas carreiras comemoraram o fechamento de uma empresa porque não concordam com o posicionamentos do empreendedor, que é o ‘malvadão’, que explora. Várias pessoas foram demitidas, tinha dezenas de colaboradores que dependiam daquilo. A cultura do cancelamento é nocivo até para o futuro econômico”, analisa Garçone, que foi convidado a se retirar da associação de RH e teve sua imagem profissional manchada.

Por fim, Rodrigo disse que o clichê “há males que vêm para bem” resume sua trajetória profissional pós-cancelamento. Ele deixou a área de RH para atuar com marketing digital, no qual diz ganhar mais dinheiro.

“As pessoas estão na rede social muito mais para criticar do que apoiar: o sucesso gera um sentimento negativo em outras pessoas. A cultura da internet é a cultura do cancelamento. Quem cria polêmica são as pessoas que interpretam com base em suas visões, eu não gero polêmica, só gero conteúdo. Sei escrever conteúdo para não ser ignorado, o que gera engajamento, que gera oportunidades de negócios, mas também tem o lado negativo. A rede social tem potencial de ampliar o networking em escala inimaginável”, finaliza Garçone.

 

Por Filipe Prado do istoedinheiro.com.br

Compartilhe:

Alvaro Maciel

Deixe um comentário

Abrir o Chat
1
💬 Precisa de ajuda?
Olá!
Podemos te ajudar?
Pular para o conteúdo