EUA eliminam entrevista para alguns tipos de visto

EUA eliminam entrevista para alguns tipos de visto

O governo americano também facilitou a emissão de vistos para estudantes

O governo dos Estados Unidos anunciou que vai suspender, temporariamente, as entrevistas presenciais para solicitação de alguns tipos de visto. A nova regra visa eliminar o acúmulo de solicitações causado pelo fechamento dos consulados por conta da covid-19.

A nova autorização, válida até o final de 2022, se aplica aos trabalhadores temporários que solicitem os vistos H-1, H-3, H-4, L, O, P e Q e cumpram certas condições, incluindo que a solicitação esteja sendo feita a partir de seu país de nacionalidade ou residência.

Para ter este “benefício”, o candidato a um desses vistos não pode ter tido um visto recusado anteriormente ou ter alguma inelegibilidade aparente ou potencial para a emissão da autorização de entrada nos EUA.

“Se a pessoa já teve qualquer visto aprovado antes e está solicitando algum dos vistos estabelecidos pela nova norma, ela não precisará fazer a entrevista presencialmente se assim decidir o oficial consular”, explica Felipe Alexandre, sócio-fundador da AG Immigration, escritório de imigração americana.

A desobrigação da entrevista para certos candidatos aos vistos de trabalho e estudo H-2, F, M e J, que já existia, foi prorrogada também até o final de 2022. Pessoas que renovarem que renovarem qualquer visto dentro de 48 meses do prazo de validade também são agora elegíveis para a isenção da entrevista presencial.

EUA facilitam vistos para estudantes

No final de janeiro, o governo americano anunciou uma série de mudanças em suas políticas imigratórias, destinadas a facilitar a entrada de estudantes estrangeiros e profissionais das áreas de ciência, tecnologia, engenharia e matemática (STEM, na sigla em inglês) nos EUA.

A principal novidade foi a inclusão de 22 novos cursos na lista de STEM, atualizada pelo Departamento de Segurança Doméstica. A partir de agora, estudantes internacionais dessas áreas poderão trabalhar legalmente nos Estados Unidos durante três anos após a formação –-em oposição ao um ano concedido a estudantes de outros cursos.

Para o especialista Felipe Alexandre, a medida deve aumentar o número de estudantes estrangeiros nos Estados Unidos, uma vez que o país sofre com a falta de mão de obra qualificada.

Do catracalivre.com.br

Compartilhe:

Alvaro Maciel

Deixe um comentário

Abrir o Chat
1
💬 Precisa de ajuda?
Olá!
Podemos te ajudar?
Pular para o conteúdo