Governo recomenda D3 para crianças e adolescentes imunocomprometidos

Governo recomenda D3 para crianças e adolescentes imunocomprometidos

Dose 3 será aplicada em brasileiros imunocomprometidos de 5 a 17 anos. Adolescentes de 12 a 17 receberão, além da D3, uma dose de reforço

Ministério da Saúde publicou, no Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra Covid (PNO), alterações na imunização infantil. De acordo com as novas medidas, crianças e adolescentes imunocomprometidos, com idades entre 5 e 17 anos, receberão uma terceira dose (D3) da vacina contra o coronavírus.

Além disso, após a D3, adolescentes imunocomprometidos com idades entre 12 e 17 anos receberão dose de reforço (DR) contra a doença.

A mudança atende a uma recomendação da Câmara Técnica Assessora de Imunização Covid-19 (Cetai-Covid), que auxilia o Ministério da Saúde na tomada de decisões sobre a pandemia. Na última reunião do grupo, em 21 de janeiro, os técnicos orientaram a alteração.

De acordo com os especialistas, países, como Reino Unido, Estados Unidos (EUA) e Suíça, já discutem a medida. No início de janeiro, o Centers for Disease Control and Prevention (CDC), órgão sanitário dos EUA, recomendou a aplicação da 3ª dose em crianças de 5 a 11 anos, imunocomprometidas, com o imunizante da Pfizer. Além disso, o CDC recomenda dose de reforço para todos os pacientes acima dos 12 anos de idade.

Dessa forma, após a publicação da medida no PNO, crianças e adolescentes imunocomprometidos entre 5 e 11 anos de idade deverão ser imunizados com o seguinte esquema vacinal: D1+D2+D3, com intervalo de 8 semanas entre as 3 doses.

A D3 deve ser aplicada conforme as primeiras doses recebidas pelo paciente. Portanto, se a criança foi vacinada com o imunizante da Pfizer, por exemplo, a D3 será do mesmo laboratório. Tal posicionamento também vale para AstraZeneca e Coronavac.

Para os adolescentes imunocomprometidos de 12 a 17 anos, além da D3, a orientação é pela aplicação da dose de reforço. Após a publicação da medida, este grupo seguirá o esquema vacinal: D1+D2+D3+DR.

Neste caso, o reforço deverá ser aplicado com o imunizante da Pfizer. “O intervalo recomendado entre a série primária e a dose de reforço deverá ser a partir de quatro meses”, recomendou o Ministério da Saúde.

Do metropoles.com.br

Compartilhe:

Alvaro Maciel

Deixe um comentário

Pular para o conteúdo