From Future, um marketplace com foco em consumo consciente

From Future, um marketplace com foco em consumo consciente

Ela criou um marketplace com foco em consumo consciente e quer faturar R$ 400 mil em um ano

Estimular um consumo mais consciente é o objetivo da From Futuremarketplace de marcas sustentáveis e com impacto social. “Nossa ideia é ajudar os consumidores com dificuldade de encontrar os produtos ao mesmo tempo em que apoiamos as marcas pequenas que estão tentando encontrar um espaço no mercado”, diz Mariana Venturini, 27 anos, fundadora do negócio. Em operação desde outubro de 2021, a plataforma já conta com 26 marcas em seu catálogo.

Sócios da From Future: Marco Antonio Venturini Cruz, Mariana Venturini e Marco Antonio Pacileo Cruz (Foto: Divulgação)

Ao longo de sua vida, a empreendedora morou na Alemanha e na Inglaterra, para estudar e trabalhar, e na Tanzânia e na Índia, onde fez trabalhos sociais. De volta a São Paulo, no início de 2017, tornou-se funcionária de uma empresa de consultoria estratégica. Apesar de gostar do emprego, sentia-se frustrada por não enxergar um impacto positivo ao atender grandes empresas. “Fiquei mais reflexiva durante a pandemia e percebi que tinha algo errado. Então larguei meu emprego”, afirma.

A ideia de Venturini nunca foi criar um produto físico. “Com a consultoria, minha habilidade sempre foi olhar para outras empresas e desenvolver o que elas já têm”, afirma. A inspiração para criar um marketplace veio de sua própria dor. Como consumidora, tinha dificuldade de encontrar produtos sustentáveis — e que fossem confiáveis.

Pesquisando sobre o assunto, Venturini descobriu que existiam mais empresas do que ela imaginava, mas eram difíceis de encontrar por serem muito pequenas. Em julho de 2021, teve a ideia de criar um marketplace para juntá-las em uma plataforma. O pai, Marco Antonio Pacileo Cruz, e o irmão Marco Antonio Venturini Cruz entraram como sócios no negócio.

Depois de definir o modelo de negócio, Venturini foi em busca de marcas que poderiam vender por meio da From Future. Além de valorizar o lado sustentável, a empreendedora também observa critérios de impacto social. “Entro nos sites e nas redes sociais para ver o quanto a empresa é transparente em relação às suas práticas”, diz Venturini, que depois faz uma entrevista com os fundadores. Por fim, as empresas respondem a um questionário para registrar por escrito todas as práticas sustentáveis e sociais.

O marketplace foi lançado em outubro de 2021, com 12 marcas. Para atrair clientes, a empreendedora apostou em fazer conteúdos educativos de sustentabilidade nas redes sociais, em que as pessoas engajam mais e compartilham com os próprios seguidores.

O site já tem uma parte em que as empresas podem fazer a solicitação para vender na plataforma. No entanto, Venturini se deparou com um dilema: marcas muito pequenas estão querendo anunciar na From Future. “São empresas com produtos muito artesanais e que ainda não possuem a estrutura necessária para estar em um marketplace”, diz a empreendedora, que está pensando em maneiras de oferecer o know-how necessário para vender online.

“Temos um papel de desenvolver esses empreendedores que querem fazer parte do nosso negócio para que eles cresçam um pouco mais antes de entrar em um marketplace”, afirma. “Ainda não tenho a resposta de como fazer isso, mas entendi que é algo que precisamos ter para estimular o consumo consciente.”

From Future aposta em um consumo consciente (Foto: Divulgação)

Apesar de a From Future ser digital, Venturini planeja criar alguns pontos físicos (em locais como feiras e cafeterias) para que os consumidores vejam os produtos pessoalmente, em uma espécie de guide shop. “Não serão lojas, mas lugares para que as pessoas nos conheçam. Os produtos estarão expostos, e os clientes poderão comprar por meio de um tablet”, afirma Venturini.

Em breve, o site também terá a descrição detalhada do que cada marca faz em relação à sustentabilidade para que os consumidores entendam exatamente a causa que estão apoiando (por exemplo, o veganismo). A expectativa é que a empresa fature R$ 400 mil no primeiro ano de operação e R$ 3 milhões no segundo.

Esta matéria faz parte da iniciativa #UmSóPlaneta, união de 19 marcas da Editora Globo, Edições Globo Condé Nast e CBN. Conheça o projeto aqui.

 

 

Por CARINA BRITO
do Pequenas Empresas e Grandes Negócios

Compartilhe:

Alvaro Maciel

Deixe um comentário

Pular para o conteúdo