Lei transforma mestre-sala e porta-bandeira em patrimônio do Rio

Lei transforma mestre-sala e porta-bandeira em patrimônio do Rio
Rio de Janeiro - Mestre-sala Yuri Perroni e porta-bandeira Thainá Teixeira (Cristina Índio do Brasil/Agência Brasil)

Foi sancionada na última quinta-feira (13) a lei 9.588 de 2021, que garante às figuras carnavalescas do mestre-sala e da porta-bandeira o título de Patrimônio Cultural Imaterial do estado do Rio de Janeiro.

Para Vilma Nascimento, de 83 anos, a lei sancionada pelo governador Cláudio Castro é um reconhecimento à história dos símbolos do Carnaval.

A apresentação do mestre-sala e da porta-bandeira é um dos mais disputados quesitos na classificação das escolas de samba no Carnaval carioca, e pode ser determinante na avenida. As roupas luxuosas precisam estar de acordo com o enredo do ano e são preparadas especialmente para não impedir o bailado na passarela, que costuma encantar o público.

“É uma coisa séria. Agora eles têm que se unir, para cada vez ser mais valorizado o casal. Tem que ter união, respeito absoluto. O título valorizou muito e eu estou muito contente mesmo”, disse a sambista em entrevista para a Agência Brasil.

Considerada símbolo das porta-bandeiras de escolas de samba, Vilma faz a própria história na família. A primeira vez que desfilou foi aos 7 anos, no Bloco Unidos da Dona Clara – rua de Madureira, na Zona Norte do Rio de Janeiro.

A estreia como porta-bandeira foi aos 13 anos na Escola de Samba União de Vaz Lobo, também na Zona Norte. Na Portela, onde se tornou destaque pelo seu bailado que envolvia a quem assistia, começou em 1957.

 

Os anos se passaram e na década de 1980 Vilma foi para a Tradição, uma dissidência da azul e branco de Oswaldo Cruz. Foi lá que mais uma vez fez história. Preparou o afilhado, o mestre-sala Júlio César da Conceição Nascimento, o Julinho. Emocionado, o jovem realizou o sonho de desfilar com a madrinha de batismo em plena Marquês de Sapucaí. “Eu fui orientando, botando ele do meu jeito. Fui eu que projetei ele”, contou Vilma.

 

Tradição de família

Ser porta-bandeira na família de Vilma é sinônimo de encontro de gerações. A filha Danielle também seguiu os passos da mãe e é porta-bandeira na União da Ilha. Ela passou a compor o casal com Julinho quando Vilma deixou a função; a neta Camyla é segunda porta-bandeira da Portela; e a bisneta Clarice, terceira da Tradição. Todos seguem os seus passos. “Para mim isso é muito gratificante e importante porque deixa uma boa lembrança para mim que já não danço mais. Eu digo, valeu a pena? Valeu”, contou.

Edição: Pedro Ivo de Oliveira
Da Agência Brasil

Compartilhe:

Alvaro Maciel

Deixe um comentário

Abrir o Chat
1
💬 Precisa de ajuda?
Olá!
Podemos te ajudar?
Pular para o conteúdo